ImplantNewsPerio 2015 | V9N3 | Páginas: 249-56

Avaliação de deiscências ou fenestrações ósseas alveolares por meio de tomografias computadorizadas

Evaluation of alveolar boen dehiscences and fenestrations by computed tomography

  • Imprimir
  • Indique a um amigo

Autor(es):

Patrick Henry Machado Alves1
Guilherme Santos Moreira1
Thereza Cristina Lira Pacheco2
Michyele Cristhiane Sbrana3
Ana Lucia Pompeia Fraga de Almeida4
Luis Augusto Esper5

1Especialistas em Periodontia – HRAC/USP; Mestrandos em Reabilitação Oral – FOB/USP.
2Especialista em Prótese Dentária – Profi s; Mestranda em Reabilitação Oral – FOB/USP.
3Especialista em Periodontia – HRAC/USP; Doutoranda em Reabilitação Oral – FOB/USP.
4Coordenadora de Pós-graduação em Periodontia – HRAC/USP; Professora de Reabilitação Oral – FOB/USP.
5Periodontista – HRAC/USP; Doutorando em Reabilitação Oral – FOB/USP.

Resumo:

Objetivo: avaliar o potencial de diagnóstico de fenestrações e deiscências ósseas alveolares por meio de tomografias computadorizadas. Material e métodos: foram selecionadas 21 tomografias de pacientes com idades entre 18 e 35 anos, de ambos os sexos. Foi avaliada a presença de defeitos de deiscências e fenestrações na superfície vestibular de todos os dentes, nestas tomografias computadorizadas por dois periodontistas não calibrados. As imagens foram visualizadas pelo software i-Cat Vision (ImagingSiences, Hatfield, Estados Unidos da América), em um monitor FlexScan S2000 de 20 polegadas, da marca Eizo (EizoNanao Corporation, Hakusan, Japão). Todas as avaliações foram realizadas pelos dois profissionais no mesmo dia, sem que um tivesse conhecimento da avaliação do outro. Resultados: foi avaliado um total de 461 dentes. O avaliador 1 encontrou 176 dentes com deiscências, 26 com fenestrações e 259 sem alterações (38,2%, 5,6% e 56,2%, respectivamente). O avaliador 2 encontrou 167 deiscências, 19 fenestrações e 275 dentes sem alterações (36,2%, 4,1% e 59,7%, respectivamente). Não apresentavam deiscências e fenestrações 9,5% dos pacientes. Houve concordância de 86,3% entre os avaliadores (teste Kappa = 0,84). Conclusão: deiscências e fenestrações ósseas foram bastante prevalentes. Houve alta concordância entre os examinadores, e a tomografia computadorizada é um método auxiliar de diagnóstico com padronização entre avaliadores.

Unitermos:

Periodontia; Tomografia; Reabsorção óssea.

Abstract:

Objectives: to evaluate the potential of diagnosis of alveolar bone fenestrations and dehiscences by computed tomography. Methods: the study investigated the presence of dehiscence and fenestration on the buccal surface of all teeth in computed tomographies scans of 21 patients aged 18-35, of both genders, by two non-calibrated periodontists. The images were analyzed on the software i-Cat Vision on a 20-inch FlexScan S2000 screen. All evaluations were performed by the professionals on the same day, both unaware of the evaluations performed by the other. The inter-examiner agreement concerning the presence of dehiscences and fenestrations in all teeth in the sample was analyzed and data were analyzed by the Kappa statistics. Results: a total of 461 teeth were analyzed. Examiner 1 observed 176 teeth with dehiscences, 26 with fenestrations and 259 without alterations (38.2%, 5.6% and 56.2%, respectively). Examiner 2 observed 167 dehiscences, 19 fenestrations and 275 without alterations (36.2%, 4.1% and 59.7%, respectively). There was agreement of 86.3% between examiners (Kappa test = 0.84). Conclusion: There was agreement between examiners, and the computed tomography is an auxiliary diagnostic method that allows standardization between examiners.

Key words:

Periodontics; Thomography; Bone resorption.
  • Imprimir
  • Indique a um amigo